Gentileza gera gentileza

Fonte: Cidade Verde

Se tem um povo que, por tradição, se preocupa em promover a gentileza e está sempre tomando o máximo de cuidado para não causar transtornos às pessoas, esse povo, sem dúvida, é o povo japonês. Um aspecto importante da cultura japonesa é que o grupo vem antes do indivíduo, de modo que a harmonia dentro do grupo e da sociedade em geral deve ser mantida tanto quanto possível. Isso leva a práticas agradáveis, como por exemplo, trocar presentes com seus vizinhos, sendo que uma das piores coisas que você pode fazer para quebrar a harmonia é causar “meiwaku”, ou seja causar aborrecimentos, transtornos ou incômodos para outras pessoas. 

Desse modo, é comum observarmos que as mesas das praças de alimentação de um shopping ou até mesmo banheiros de locais públicos estão sempre limpos, pois existe a constante preocupação em não causar transtornos para a próxima pessoa que for usar. Assim, não é de se estranhar que o Dia Mundial da Gentileza (Bondade), comemorado no dia 13 de novembro, tenha surgido durante um congresso em Tóquio, em 1997. O grupo Movimento das Pequenas Gentilezas do Japão reuniu diversos grupos de diferentes países que propagavam a gentileza em suas nações e apresentou a proposta. Em 2000, foi oficializado o Movimento Mundial pela Gentileza (World Kindness Movement – WKM), com o objetivo de inspirar as pessoas a serem mais gentis e, consequentemente, tornar o mundo bem melhor. 

É óbvio que a gentileza deve ser praticada todos os dias, independente de ter ou não um dia especial, pois atitudes simples como cumprimentar, abraçar, sorrir ou proferir uma palavra positiva tem o poder de mudar a energia do ambiente, além de melhorar a convivência e motivar as pessoas. Quando alguém é recebido com um sorriso, naturalmente ele o retribui, gerando uma corrente do bem. Ter empatia e ser gentil engloba vários fatores como compreender os maus entendidos, não julgar, respeitar os variados pontos de vista, escolher as palavras certas para cada momento entre outras diversas atitudes.

Assim, a gentileza é um fator primordial na qualidade de vida, pois tanto quem a recebe, quanto quem a realiza, se sente mais feliz, ou seja, gentileza gera gentileza!!! Mas… você sabia que existe uma história por trás dessa frase?  

Simmm…nesta data tão peculiar, é impossível não trazer à tona um dos maiores expoentes deste tema: José Datrino, o Profeta Gentileza. Criador da frase “gentileza gera gentileza”, construindo a ideia de que atos de bondade podem ser cíclicos e que uma boa ação pode inspirar inúmeras outras, José Datrino passou a ser conhecido como Profeta Gentileza quando, em 17 de dezembro de 1961, um gigantesco incêndio no Gran Circus Norte-Americano, na cidade de Niterói no Rio de Janeiro, ceifou centenas de vidas.

Na antevéspera do Natal, Datrino acordou alegando ter ouvido “vozes astrais”, que o mandavam abandonar o mundo material e se dedicar apenas ao mundo espiritual. Desse modo, pegou um de seus caminhões e foi para o local do incêndio, plantando flores no local que um dia foi palco de tantas alegrias, mas também de muita tristeza. Aquela foi sua morada por quatro anos e lá incutiu nas pessoas o real sentido da palavra Gentileza, confortando os familiares das vítimas da tragédia com suas palavras de bondade. 

Após deixar o local que foi denominado “Paraíso Gentileza”, o Profeta começou a sua jornada como andarilho, fazendo sua pregação e levando palavras de amor, bondade e respeito pelo próximo e pela natureza, a todos que cruzassem seu caminho. Aos que o chamavam de louco, ele respondia: – “Sou maluco para te amar e louco para te salvar“. A partir de 1980, escolheu 56 pilastras do Viaduto do Gasômetro, que vai do Cemitério do Caju até o Terminal Rodoviário do Rio de Janeiro, numa extensão de aproximadamente 1,5 km, enchendo inscrições em verde-amarelo no intuito de incitar as pessoas a aplicarem gentileza em todo o planeta. No entanto, em 1990, a prefeitura do Rio de Janeiro “apagou” por engano as frases do Profeta  e apesar do pedido de desculpas, a restauração do legado de Datrino só ocorreu em 1999, três anos após a sua morte. 

O Profeta Gentileza foi homenageado na música pelo compositor Gonzaguinha e também pela cantora Marisa Monte que, além de incentivar os valores pregados pelo profeta, retrata os danos ocorridos contra os murais, como diz o trecho: “Apagaram tudo / Pintaram tudo de cinza / Só ficou no muro / Tristeza e tinta fresca”.

À vista desta célebre frase, o psicólogo Igor Teo aponta que há uma espécie de contágio saudável quando praticamos atos de gentileza, principalmente em épocas de intolerância como as que estamos vivendo atualmente no Brasil. Desse modo, um olhar mais doce, um sorriso afável e palavras de carinho e atenção, “desarmam” qualquer violência, proliferando um ambiente muito mais agradável. Consequentemente, as pessoas se sentem gratas por nossas ações e tendem a nos tratar da mesma maneira. É um efeito dominó, pois um ato leva a outro e pequenas ações podem fazer grande diferença, aumentando, por exemplo, questões de autoestima e sociabilidade. Segundo o psicólogo, quando as pessoas se sentem agradecidas e felizes, elas querem de alguma forma retribuir as pessoas que lhe fazem sentir assim. 

Acredito que essas pequenas ações devem ser aplicadas principalmente no convívio familiar pois no mundo conturbado em que vivemos atualmente, em muitos lares percebe-se que está faltando “tempo” para se exercer atos de gentileza e bondade com a própria família, vocês não concordam? A falta de carinho e atenção, principalmente do pai que está sempre ausente por conta do trabalho, tende  a causar sérios danos emocionais ao longo da vida de uma criança, de modo que, quando adulto, essa criança não sente a necessidade de retribuir “tudo” que seu pai fez por ele até a sua emancipação. 

Apesar da cultura japonesa se preocupar em não causar transtornos a terceiros e até mesmo ter proposto uma data para celebrar mundialmente a gentileza, é comum encontrarmos nesse país, relatos de crianças e jovens que convivem com o descaso do pai que está sempre tão cheio de afazeres e obrigações, deixando a educação dos filhos sob a total responsabilidade da esposa e, desse modo, não participando ativamente da vida cotidiana de seus filhos. 

Antagonicamente, não posso deixar de falar como meu sogro, Sr. Hiroshi, mesmo sendo japonês, era carinhoso e gentil, não só com os filhos mas com todas as pessoas que o cercavam. Assim como José Datrino representava a gentileza, meu sogro era sinônimo de pura bondade. Muitíssimo dedicado às questões religiosas, era amável, sereno e estava sempre com um belo sorriso estampado em seu rosto. Segundo Milton, meu marido, ele foi um pai extremamente participativo e jamais usou da agressão ou violência para educar os filhos, tratando-os com respeito e cordialidade. Desse modo, era gratificante presenciar o relacionamento entre pai e filho pois como gentileza gera gentileza, Milton também sempre nutriu imenso carinho por aquele que foi um grande exemplo de bondade para todos nós.

Diante de tantos aforismos alusivos à gentileza, chegamos ao veredito de que podemos ser gentis de várias maneiras. Ser gentil não engloba bondade, generosidade, amor e afeto apenas aos nossos semelhantes mas também com todo o meio em que vivemos como, por exemplo, não jogar papel e/ou lixo no chão, separar lixos recicláveis de lixos orgânicos e cuidar das plantas. Sejamos gentis com os animais, com a natureza e o meio ambiente em geral, com as crianças, com os idosos e com o próximo pois, segundo Harold Kushner, “quando você é gentil com os outros, isso não muda apenas você, mas também muda o mundo”, uma vez que retribuir com gentileza até mesmo nos momentos mais difíceis, pode ser a melhor resposta para alcançarmos os melhores resultados.

Afinal, nada melhor do que seguir o exemplo de Shakespeare: “Eu aprendi que ser gentil é mais importante do que estar certo”. Ou até mesmo nos conscientizarmos de que “as palavras gentis são breves e fáceis de dizer, mas o eco delas é eterno”, conforme profetizou Madre Teresa de Calcutá. 

~ Bia ~

Uma resposta em “Gentileza gera gentileza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s